0

Gestão financeira: como você se organiza

Gestão Financeira: Como você se organiza

Seja qual for o modelo adotado pelo empresário, a gestão financeira ocupa um papel central e vital para o funcionamento de todas as atividades de uma empresa. Ela diz respeito ao planejamento, análise, controle e monitoramento dos recursos financeiros tendo como objetivo alcançar as metas para o sucesso dos negócios.

Quanto melhor for o gerenciamento das finanças, mais a empresa terá capacidade e o “combustível” para se posicionar e crescer no mercado de forma sólida. Por outro lado, se essa questão for negligenciada, além das barreiras para o crescimento, ela pode sofrer sérios danos podendo atingir graves crises financeiras que poderão levá-la à falência.

Mas será que a forma como você organiza a gestão financeira de sua empresa é a mais adequada? Continue a leitura e conheça alguns dos principais erros nessa área e o que fazer evitá-los.

Erros comuns na gestão financeira de empresas

Se o seu objetivo é conseguir obter uma boa margem de lucro anual e garantir o sucesso a longo prazo, é fundamental assumir o controle e começar a trabalhar em um gerenciamento mais eficiente. Mas para isso, é necessário compreender quais são as falhas que podem estar ocorrendo. Aqui estão quatro dos erros de gestão financeira mais comuns:

1. Não ter o controle do fluxo de caixa

Sem um fluxo de caixa atualizado e devidamente controlado, a empresa corre sérios riscos em sua gestão. Se esse ponto é falho, dificilmente será possível entender o que aconteceu no passado e, assim, planejar o futuro dos negócios. Afinal, muito além das planilhas e acompanhamento dos extratos bancários, o fluxo de caixa é uma importante métrica para a tomada de decisão.

2. Não avaliar corretamente o desempenho da empresa

Por mais incrível que possa parecer, há muitos gestores que não avaliam o desempenho da empresa com a frequência com que deveriam. Boa parte, se concentra apenas em manter registros de entradas e saídas do caixa. Entretanto, se os dados levantados não forem analisados, não será possível desenvolver qualquer estratégia para otimizar o gerenciamento. Além disso, será muito difícil saber se a empresa está indo pelo caminho mais adequado.

3. Desconsiderar as pequenas despesas

As pequenas despesas e os chamados gastos ocultos podem colocar a saúde financeira da empresa em risco a longo prazo. Por exemplo, valores ínfimos pagos em dinheiro e que não vão parar nos registros da empresa e, por isso, acabam sendo ignorados. No decorrer de um ano, o que era pouco pode se mostrar uma soma vultosa que poderia estar sendo usada para alguma prioridade, ou que poderia ser reduzida.

4. Não ter rigor no gerenciamento das finanças

Esse, talvez, seja o problema mais recorrente de ser encontrado em empresas, especialmente as menores. O que acontece é que muitos gestores até se preocupam em manter um controle rigoroso, mas as atividades e demais questões operacionais da empresa acabam sugando a atenção e tempo.

Como consequência, as planilhas podem ficar desatualizadas e os orçamentos deixados de lado. Com isso, não existe mais a possibilidade de saber como está a saúde financeira da empresa, podendo acontecer de o gestor ser surpreendido com uma eventualidade que poderá desestabilizar as operações — empréstimos atrasados, contas acumuladas ou dificuldade para cumprir com as obrigações, por exemplo.

Tendo em vista o peso e a importância de uma boa gestão financeira o que poderia ser feito para prevenir falhas e otimizar os processos? É sobre isso que vamos falar nos próximos tópicos. Acompanhe!

Gestão financeira: como você pode organizar

As falhas citadas acima, assim como uma série de outros problemas que prejudicam a saúde da empresa podem ser evitados quando o setor financeiro se organiza para colocar tudo em ordem.

Investimentos que não apresentam resultados positivos, dados sólidos sobre os custos das operações, nível de endividamento e situação dos processos de reembolso para funcionários são apenas alguns aspectos que são melhorados a partir de uma boa gestão.

Dito isso, confira algumas dicas sobre como corrigir os erros e otimizar os resultados do negócio como um todo, afinal, todas as operações dependem do estado das finanças da empresa!

1. Analisar os livros

Um excelente ponto de partida para organizar a gestão financeira é criar o hábito de monitorar os livros. Mesmo que a empresa atue junto ao contador vale a pena reservar um tempo para as análises, seja quinzenalmente ou de mês em mês.

Ao fazer isso, é possível entender melhor as finanças do negócio e identificar possíveis aberturas para crimes financeiros.

2. Tenha um processo para relatórios financeiros

Ao definir um prazo para avaliar os relatórios financeiros (balanço patrimonial, lucros, perdas e caixa) é possível ter uma perspectiva melhor sobre como e quando investir no crescimento do negócio. Além disso, as decisões poderão ser tomadas de forma mais consciente e os riscos avaliados com mais segurança.

3. Criar um orçamento mensal

Ter um orçamento mensal pode ser considerado como um pilar de uma boa organização da gestão financeira. Ele permitirá acompanhar gastos, obrigações e despesas, por exemplo. Quando se gasta muito ou mais do que é possível, há grandes riscos de a empresa precisar de empréstimos ou deixar de cumprir com suas obrigações, o que leva ao surgimento de problemas que podem afetar a saúde financeira do negócio.

4. Ter um fundo de emergência

Nenhuma empresa está imune ou completamente a salvo de momentos crise. Um fundo de emergência pode ser fundamental para manter as atividades nos momentos difíceis.  Para garantir que a gestão financeira não seja afetada e entre em desequilíbrio, é essencial criar uma reserva que permita a sobrevivência das atividades e o cumprimento das obrigações por mais de três meses, no mínimo.

5. Ter um bom software de gestão

A gestão financeira envolve a análise de uma quantidade muito grande de informações. Além disso, os dados que o gestor precisará analisar todos os dias poderá tomar muito de seu tempo, impedindo que ele dê atenção a outros pilares do negócio. Mas se for feito um investimento em um software de gestão, esses problemas são facilmente resolvidos e os processos otimizados.

Aliás, isso se torna um ponto ainda mais importante para empresas que atuam com vendedores externos ou viagem corporativas, pois nesses casos existe toda a preocupação com as operações de reembolso dos funcionários e a necessidade de se evitar fraudes.

Por fim, como você organiza a gestão financeira de sua empresa precisa respeitar um fator muito importante: as necessidades do negócio. Por exemplo, para algumas empresas pode ser melhor revisar os relatórios mensalmente, enquanto que para outras, o ideal é que isso seja feito todas as semanas. Procure identificar o perfil de seu negócio e depois comece a trabalhar nas ações citadas acima.E então, gostou das dicas? Aproveite e confira o nosso artigo sobre como a gestão de riscos financeiros pode evitar a falência de sua empresa. Com certeza, você vai aprender muito mais!

Gostou? Compartilhe!Share on Facebook
Facebook
Share on LinkedIn
Linkedin
Tweet about this on Twitter
Twitter
Email this to someone
email

Yanick Gudim

Founder, CEO ExpenseOn Yanick Gudim, controller com ampla experiencia em auditoria e consultoria de empresas de médio e grande porte. Durante 3 anos trabalhei como consultor financeiro para startups de tecnologia como: Just Eat, Elens, Girafas, Mega Mamute, Sorte Online, Beleza na web, Play tech, entre outras.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *