0

Impactos da inovação tecnológica no mercado de trabalho

Não dá para negar que as mudanças estão ocorrendo de forma muito acelerada. É cada vez mais intensa a imersão da sociedade na era da inovação tecnológica. Todos os setores são impactados, incluindo o mercado de trabalho que tem experimentado mudanças muito significativas — novas funções, novos recursos, exigências de novas habilidades e reestruturação das empresas, por exemplo.

Para perceber os impactos tecnológicos nem é preciso ir muito longe ou buscar por grandes organizações. Até mesmo as pequenas e microempresas já estão fazendo uso de ferramentas e sistemas para otimizar as operações e os processos do dia a dia.

Nos próximos parágrafos, vamos falar um pouco sobre os impactos da inovação tecnológica com pinceladas tanto do lado dos profissionais quanto das empresas. Acompanhe!

A inovação tecnológica e o mercado de trabalho: o profissional e a empresa

As mudanças e a adoção de novos comportamentos que surgem em decorrência das inovações tecnológicas já podem ser consideradas como algo do cotidiano, de tal forma que os mais jovens as incorporam sem nenhum problema ou com uma facilidade maior.

Tanto as profissões atuais quanto aquelas “do futuro”, exigem desde o momento atual um novo profissional, assim como uma nova atitude por parte das empresas. Esse último aspecto, é o mais complicado de ser trabalhado, afinal, as mudanças no mercado de trabalho não ocorrem de forma tão natural ou rápida, como pode acontecer com os profissionais.

O profissional, para conseguir se manter no mercado ou para se preparar para o que está por vir, precisa de muito mais que conhecimento especializado e técnico. Ele deverá focar, também, em outras habilidades até pouco tempo não muito consideradas por parte das organizações, a exemplo do pensamento crítico, criatividade e inteligência emocional.

Para alguns profissionais e gestores isso pode ser um pouco confuso: se as mudanças no mercado de trabalho são provocadas pela inovação tecnológica, o mais adequado seria especializar-se o máximo possível, correto?

Sim! De fato, a especialização tem um papel fundamental nessas mudanças, porém, habilidades como as citadas acima é que tornam o profissional capaz de encarar novos cenários, se adaptar de forma mais eficiente e a desenvolver um maior nível de agilidade mental para lidar com as novidades sem prejudicar a própria vida, suas atividades e o relacionamento interpessoal. E isso a uma velocidade nunca antes vista.

Já nas empresas, é cada vez mais comum a presença de novos softwares de gestão e ferramentas tecnológicas dos mais diversos tipos, que são vistas com bons olhos pelos gestores. Afinal, existe aqui uma evidente melhoria nos processos e operações, o que leva a chances de se obter lucros maiores.

A Confederação Nacional das Indústrias (CNI) afirma que nos últimos anos as aplicações tecnológicas cresceram significativamente nas empresas, entretanto, há o outro lado da história: ainda são poucas aquelas que estão, realmente, preparadas para lidar com a revolução provocada no mercado devido a tecnologia. Isso é válido tanto no Brasil quanto em vários países de primeiro mundo.

Para termos uma ideia melhor, basta considerar que até mesmo grandes organizações ainda enfrentam dificuldades na implantação de novos processos, ou não sabem exatamente por onde começar para trabalhar a modernidade do modelo de gestão e a otimização das operações de forma eficiente.

O que vem por aí

Como era de se esperar, a inovação tecnológica impacta mais empresas de um segmento que de outro em um primeiro momento — o que não significa que haverá aquelas que não precisarão se adaptar.

Nesse sentido, a melhor maneira de definir um caminho ou entender quais os setores que devem ser trabalhados primeiro é acompanhar as tendências apontadas pelo próprio mercado.

Por exemplo, já existem levantamentos que indicam quais as áreas/empresas que empregarão mais pessoas nos próximos anos, sendo a empregabilidade relacionada com a inovação tecnológica. Aqui, as de construção civil, biotecnologia, vendas, jurídica, agronegócio, finanças e tecnologia são alguns dos destaques.

Essa é uma fronteira que ainda precisa ser muito ampliada. No campo da inovação tecnológica, há milhares de formas pouco ou nunca exploradas, o que indica que os próximos anos poderão ser ainda mais surpreendentes do que podemos imaginar no momento atual.

Comportamento da empresa ante as mudanças no mercado

Saber gerenciar as inovações e suas aplicações é o fator que mais se destaca dentre as organizações que conseguem lidar bem com os processos de mudança.

O gestor precisa orientar sua equipe e criar na empresa algo que possa trabalhar com a organização e coordenação das ferramentas e estratégias tecnológicas. Ou seja, um processo de gestão da inovação.

As empresas líderes no mercado são aquelas que já reconheceram o peso das mudanças e estão encarando os desafios de frente. Lembrando que a organização pode aproveitar tanto iniciativas públicas quanto privadas para começar a trilhar o caminho do futuro.

Além disso, é extremamente importante que a empresa tenha consciência e desenvolva ações visando ter uma força de trabalho bem treinada. Para que seja possível acompanhar as evoluções, é necessário trabalhar muito a capacitação do profissional. Isso porque o novo mercado de trabalho traz exigências, posições e requisitos que precisam de novas habilidades por parte do colaborador.

Preparação para o futuro

Se sua empresa nunca pensou nas possibilidades e nos impactos da inovação tecnológica no mercado de trabalho, é melhor fazer isso o quanto antes. Não importa qual o setor de atuação, ela será impactada em um momento ou outro.

Além de investir nos processos internos e na capacitação do profissional, como apontamos acima, é preciso preparar ao máximo as equipes para mudanças radicais, especialmente porque, nesse cenário, elas têm a ver com implantação de novos softwares, equipamentos e automação.

Uma ideia muito interessante para tornar as mudanças mais fáceis, é reservar um período para que a transição possa ser feita de forma tranquila, além de dar tempo aos profissionais para assimilar as novidades. Ou seja, dar um passo de cada vez!

Por fim, é essencial deixar claro que as organizações que não se esforçarem para entender e começar a aplicar o conceito de inovação tecnológica, seja por meio da implantação de um sistema de gestão como um primeiro passo ou de uma completa reestruturação, terão dificuldades competitivas cada vez maiores. Ao deixar a inovação de lado, além da perda de clientes e níveis menores de agilidade, aquelas empresas que estiverem “atrasadas” ainda terão muito trabalho para diminuir seus custos, tornando a concorrência mais atrativa para o cliente.

Gostou de saber mais sobre o panorama geral do mercado de trabalho ante os impactos causados pela tecnologia em seu funcionamento e na estrutura das empresas? Aproveite e deixe, em nossos comentários, sua opinião sobre isso ou alguma sugestão de como fazer as coisas!

Gostou? Compartilhe!Share on Facebook
Facebook
Share on LinkedIn
Linkedin
Tweet about this on Twitter
Twitter
Email this to someone
email

Yanick Gudim

Founder, CEO ExpenseOn Yanick Gudim, controller com ampla experiencia em auditoria e consultoria de empresas de médio e grande porte. Durante 3 anos trabalhei como consultor financeiro para startups de tecnologia como: Just Eat, Elens, Girafas, Mega Mamute, Sorte Online, Beleza na web, Play tech, entre outras.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *